Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

31
Ago16

Midas e a pobreza...

fashion

mid.jpg

Era quase noite e a lua começava a abrir a janela. Apressei-me porque a temperatura pedia uma camisola e a rua estava quase deserta. Ao pé do jardim de palmeiras, ouvi um choro, um lamento, um daqueles sons que parecem provir do mais profundo de um ser e que nos deixa enternecidos e preocupados.

Atrasei as minhas passadas tal qual se faz quando se atrasa um ponteiro de um relógio e ouvi, na minha respiração, a denúncia da ansiedade que sentia. Aproximei-me e reconheci-o, imediatamente: era o rei de Frígia(Midas). A face pálida denunciava o cansaço que o acompanhava.

Andava de um lado para o outro, chorava e falava, chorava e falava.

Viu-me e abanou a cabeça, quis que me afastasse. Tentei acalma-lo, mas fugia de mim, e andava e andava. Percebi que estava aflito porque tinha pedido a Dionísio que lhe concedesse o dom de transformar tudo onde a sua mão tocasse, em ouro. Ficou feliz no inicio, riu e fez uma festa: seria o homem mais rico de que há memória..

Porém a comida transformada em ouro, torna-se pedra, e o afecto de quem nos ama, traduzido em abraço, torna-se gelo. Midas tinha agora ouro, muito ouro, não tinha era comida, nem afecto. Escondia as mãos, porque até as lágrimas deixaram de ser lágrimas e eram pingos de ouro, quando as limpava. Tornou-se o rei do ouro, da solidão e da fome. Estava tão pobre agora...  Lembrei-me do fim da estória, ele só teria de lavar as mãos em água corrente. Gritei-lhe que me acompanhasse porque ia ajuda-lo. Seguiu-me, andamos muito tempo, até encontrarmos um pequeno rio, de água azul e saltitante. Midas entrou no rio, as suas mãos brancas voltaram a ser humanas, tão humanas que me abraçou longamente. Midas tinha descoberto que sempre fora um homem muito rico, o ouro apenas lhe mostrou o que é ser pobre.

30
Ago16

Hoje apetece-me... falar de um Filme

fashion

 

 

 

 

Este é um daqueles filmes em que se cruzam várias vidas, ideias e pensamentos. A ideia principal assenta na vida de um menino que perde a mãe e procura, sem cessar, descobrir a causa da sua morte e, acima de tudo, a forma de curar essa causa. Aparentemente talvez esta premissa nada tenha de extraordinário, mas reveste-se de interesse quando isto significa uma enorme prova de amor para com a sua mãe e ao mesmo tempo para com a humanidade em geral. Aqui, como na vida,  cruzam-se  os interesses e valores universais( e particulares) e  descobre-se que só quem vive para amar consegue, de facto, viver! O risco é o que torna a caminhada intensa e empolgante.

Vale a pena ver o filme e pensar quantas coisas fazemos(ou não) pelas nossas convicções e paradigmas.

29
Ago16

Das escadas à confiança...

fashion

escada.jpg

 Ela olhou para a pequena escada e viu, no cimo, uma pequena luz fria e  parda, hesitou mas a voz dele , suave e reconfortante,  encaminhou o seu pequeno sapato, azul, aos degraus. Sentia o movimento dos passos no corpo e era quase como se os pés fossem independentes e tivessem vontade própria. O pensamento não existia, não era o pensamento que comandava os movimentos regulares que iam habitando os degraus.

-Se pensasse não confiava, ecoou dentro dela uma voz baixa e quase imperceptível.   Delicadamente subia, uma após outra, as pequenas escadas de madeira e  à medida que o fazia sentiu-se forte, teve a sensação que flutuava e que não existiam degraus ou subidas. Ela confiava e quando se confia tudo assume uma tonalidade leve e delicada. Não sabia porque razão ele insistira para que subisse a escada, mas agora que o fazia sabia que não seria ele que lá encontraria.

Os sapatos azuis continuavam, devagar, a sua melodiosa subida até chegarem a uma curva quase inexistente onde a luz se tornava mais  intensa. Olhou para o chão e viu a sua imagem reflectida num pequeno espelho dourado. Percebeu que não tinha sido a voz dele que ela tinha ouvido e que  tinha impulsionado a subida. A voz era a da confiança que ela tinha guardado em si, mas que, constantemente, abafava, como se faz quando se chora em silêncio.  Pela primeira vez ela tinha confiado e tinha entrado no reduto da paz e da entrega, porque quem confia entrega-se, rasga o peito e deixa de temer o que quer que seja.

A confiança tem, no entanto, um pequeno "truque" só pode ser aberta e vivida por aqueles que percebem que ela existe, antes de mais, em quem se atreve a subir escadas e a encontar espelhos que devolvem a sua imagem e que ensinam a olhar, antes de mais, para si mesmos.

Ela pousou o espelho, na madeira da escada, e continuou a sua subida...

 

27
Ago16

Hoje apetece-me... ler poesia

fashion

Poema ou suicídio

 

Não há com quem falar de poesia

Só sobre a chuva, crise e futebol

Se um verso declamasse, alguém diria:

Que: “um louco há entre nós que se acha o Sol”

 

Brilho irisado no ventre dos copos

Balão de vidro, onde a água balança

O estilo açucarado que há nos corpos

De pérola incrustada na esperança.

 

Não há com quem falar de quase nada

Tombam o olhar, buscam o que não busco

Mundo em miniatura que me enfada

Um poema a suicidar-se, lusco fusco

 

De António Codeço-  http://asescondidas.blogs.sapo.pt/2016/08/?page=1

 

Pág. 1/7

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

Sofrósina

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2