Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

31
Out16

O dia dos Santos..

fashion

(imagem retirada da internet, autor desconhecido)

 

Colocou a ponta das meias no dedos dos pés e puxou-as vagarosamente até que cobrissem as pernas, depois escolheu um vestido branco, uns brincos azuis e uns sapatos também azuis. Passou pela cozinha e bebeu, à pressa, um copo de água. Escolheu as flores com cuidado: margaridas brancas, feto verde, gipsofila, envolveu-as num papel rosa muito bonito e arrumou-as numa cestinha de verga. Sentia que as pernas lhe tremiam ligeiramente, talvez porque era um dia com significado que ela não sentia, mas que reconhecia ser importante. Começou a andar, primeiro lentamente e depois, apressadamente, até que sentiu nos pés as batidas do coração( como se pés e coração fossem apenas um). Recordou tantos dias felizes, tantas risadas, os dias em que se sentava para contar o que vivia, o que os seus dias lhe davam. Recordou-o a ele, com mãos fortes e rugosas, a voz doce e forte, a meiguice do olhar, os abraços e a beleza do seu interior.

Engoliu em seco... como tinha saudades daquele interior tão bom e forte. Virou as flores para cima e olhou-as, demoradamente, ao mesmo tempo que andava. Era uma visita sem rosto, sem cor, sem som. Era um passeio que se repetia e que conduzia a uma pedra de mármore, fria e escura. Este passeio ela não o fazia apenas uma vez por ano, como a maioria das pessoas, ela fazia-o sempre. As flores continuavam, junto com os pensamentos e as acções, a ser a única coisas que lhe podia dar. Colocou as flores e saiu com um passo rápido. Era dia dos santos....

28
Out16

Aprender a navegar com a tempestade...

fashion

 

 

Naquele dia o Sol acordou cedo, vestiu um casaco comprido e abriu de par em par as janelas de madeira.

Olhei para ele; demoradamente, sem que me visse e deixei-me estar, quietinha, nesse doce namoro. Estava deitada, no pequeno barco de remos, com uma manta verde em cima do corpo e senti-me adormecida pelo embalo da água e o namoro com o Sol. Fiquei assim muito tempo sem que o barco se mexesse muito e sem que eu tivesse vontade de me mexer. No ar ouviam-se os gritos do rio, ao tocarem no casco, e o cheiro da maresia.

Na realidade eu nada fazia para que tudo acontecesse como devia acontecer. O Sol brilhava porque sim, a água seguia o seu curso e e barco fazia o seu caminho. Eu acompanhava-os sem saber porque o fazia. Eu não sabia navegar porque tudo navegava por mim.

Os dias sucediam-se e o namoro com o Sol, com o barco e com água, também. Mas um dia, daqueles dias em que o céu fica da cor do carvão, fiquei sem Sol, a água revoltou-se, os remos caíram e a manta foi para longe. Começou a chover, a chover muito e tinha de fazer alguma coisa para conseguir resistir à revolta da água.

Agarrei-me com toda a força que tinha ao barco, e com  tempo comecei a remar com as mãos. Fi-lo com força, até que consegui que o barco encontrasse um pedaço de terra e se despedisse da água. Tinha conseguido vencer uma tempestade enorme. Sentei-me na areia e chorei,um misto de alegria e de tristeza envolviam-me e esforcei-me para entender, para me entender. Tinha sobrevivido, tinha aprendido a navegar. Essa aprendizagem só foi possível porque a tempestade me mostrou. Seria impossível viver se a tempestade não tivesse vindo e eu não aprendesse a navegar.

27
Out16

Hoje apetece-me... falar de um livro

fashion

 

 Conhecem aquela sensação de perda, quando nos separamos de um amigo? É esse o sentimento que experimento,  agora que cheguei ao fim desta "quadrilogia". Já falei aqui dos livros anteriores e muitas pessoas me têm perguntado o que torna esta estória diferente. Não consigo responder concretamente a esta questão, no entanto consigo perceber que há uma amizade que perdura durante toda a vida. Essa amizade é a base para que todas as outras histórias se cruzem e vivam e que de certa forma envolve quem a lê. Talvez todos nós vivamos, durante a nossa vida, as mesmas históras, os mesmos receios, talvez todos tenhamos uma amiga genial que por vezes não sabemos se somos nós ou se é a outra/os. Este livro em concreto é dissecada a dor de uma mãe que passa pelo desaparecimento da filha. A sua postura, o seu não sentido, o medo que os outros têm, de quem sofre, como se isso fosse contagioso. São livros que vão ao fundo das nossas entranhas e que nos "obrigam" a questionar muitas opções e muitas direcções que seguimos ao longo da vida.

Pág. 1/7

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

Sofrósina

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2