Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

30
Nov16

Calipso, amar quem não nos ama?

fashion

                                

                                                            (imagem retirada da net)

Comecei a subir a serra devagar. Contornava as pedras, procurava veredas e a respiração denunciava o cansaço que ameaçava visitar-me. Quando me abeirei do cimo procurei uma floresta que concebia como bela, a acreditar nos relatos que tinha ouvido.

Andei durante muito tempo, mas descobri, não uma floresta, mas um mundo encantado onde as árvores assumiam uma perfeição sem modéstia e a água saciava os campos. No meio do verde habitava um pequeno ajuntamento de pedras e uma gruta.Tentei olhar para dentro da gruta, mas estava muito escuro.

Preparava-me para me virar quando vejo Calipso, atrás de mim, com um olhar aborrecido. Cumprimentei-a, mas ela tentou afastar-me. Fiquei triste, mas nada lhe dei demasiada importância. Continuei a olhar as árvores a água, e a cada passo era a harmonia que me dava a mão e me acompanhava.

Arrumei a garrafa de água, na mochila, e preparava-me para regressar, quando Calipso me agarrou no braço.

Estava despenteada com olhos de choro e pediu-me se podia sentar-me por um instante. Acedi e ouvi-a atentamente. Contou-me que Ulisses estava preso na gruta e que ela tecia e fiava dia e noite para que ele gostasse dela, mas não conseguia. Ele só pensava em Penélope, sua mulher. Aconselhei-a a deixa-lo, mas ela dizia-me que não conseguia viver sem ele. Expliquei-lhe demoradamente  como é difícil obrigar alguém a gostar dela e que fazer isso não demonstrava amor, mas sim egoísmo e mesquinhez. Começou a chorar e voltou para a gruta.

Fiquei à espera um longo tempo alimentando a esperança que ela deixaria Ulisses voltar para casa, mas tal não fez. Ulisses continuou um longo tempo enclausurado com Calipso, mas na sua cabeça e no seu coração só Penélope entrava. A sua prisão era um cativeiro ilusório porque ele nunca estivera, de facto, preso. Ninguém está preso quando ama.

Hermes forçou Calipso a soltar as amarras de Ulisses e ela, arrependida, ajudou-o a voltar a casa. Não se prende quem não nos ama...

29
Nov16

Como me encontras, no meio das agulhas?

fashion

 

O dia no trabalho acabou cedo vestiu, à pressa, o blusão em pele e correu pela escada de mármore cinzenta.

Chegou à rua parou e olhou as árvores que se agitavam, ficou um instante assim, a perceber se era dia ou noite e se as árvores falavam com ele ou com os outros. Atravessou a estrada, com passo apressado e bem medido, sentiu o cheiro das castanhas assadas e ouviu os risos das crianças que agora deixavam a escola.

Parou novamente e sentiu-se impaciente e sem vontade de voltar a casa. Ecoavam-lhe ainda as palavras que a Rita lhe dissera dois dias antes. Não a tinha visto desde esse dia e tinha passado as noites no carro.Tinha, no entanto,  de voltar e ao mesmo tempo que ansiava vê-la, sentia-se magoado, receoso e experimentava a sensação de que o seu corpo era  puxado para não voltar.

Conhecera Rita, na secundária, nunca mais se largaram. Cresceram juntos e descobriram os horizontes que a vida tinha guardado para eles. Tantas coisas que viram, tantas e tantas noites que não conseguiram dormir porque a promessa do que viria era maior do que o sono. Agora a ausência de sono tinha outra coberta, outra peça que corroía e que o massacrava.

Uma ideia, várias ideias que lhe pesavam, que o não deixavam continuar.

Agulhas e agulhas (pensava em agulhas a espetarem-se na pele), há dois dias que as agulhas não o largavam.. a Rita espetara-lhe agulhas, pensava. De certa forma era isso que sentia.

Ia perdoar-lhe tinha de o fazer, mas perdoar não era concordar com o que lhe tinha feito, não era abanar a cabeça e consentir. Perdoar era libertar-se das agulhas; das feridas e dos pesos, perdoar era abrir os braços e sentir que estava leve.

Escreveu-lhe uma mensagem: -como me encontras quando as agulhas me ferem a pele?

Ela respondeu, de imediato: - na pena de uma ave que se soltou e que agora navega no vento. É aí que vive o perdão e, é aí que te encontrarei.

28
Nov16

Como se vive numa cama branca e fria?

fashion

 

Calou-se subitamente, nada do que dizia fazia sentido. As ideias estavam soltas, espalhadas e pareciam desordenadas, ou então tinham uma ordem própria que ela já não reconhecia. As pessoas falavam perto dela, via no movimento dos lábios o formato das palavras, vi-as nascerem, mas não as compreendia (há um momento em que deixamos de ler os sons porque o vazio do significado apodera-se deles).

Percebeu que falavam com ela, mas não foi capaz de responder e limitou-se a abanar a cabeça sem saber se afirmava ou se negava, fê-lo mecanicamente, sem um propósito.

O que via e sentia, mesmo sem palavras, era a imagem do Luís, deitado numa  cama, um leito de ferro pintado de branco, tudo branco e frio. O Luís, de olhar escondido, alheio à vida que se desenrolava ao seu redor, ausente sempre que a mulher entrava e lhe fazia uma festa na cabeça.

Ele estava e não estava, vivia sem viver.

A mulher entrava; bem vestida, a cheirar a orquídeas, e todos os dias as orquídeas visitavam o Luís, fazia-lhe a festa na testa, com a ponta dos dedos: aconchegava-lhe a roupa e contava-lhe o dia com todos os pormenores, por vezes parecia que estavam os dois ausentes e que ali só estava a cama branca, de ferro e fria, muito fria...

Quando percebia que ele lhe fazia falta, uma falta que vinha de dentro de si própria, chorava um bocadinho e voltava a fazer-lhe uma festa. 

Saia e voltava no dia seguinte, todos os dias à mesma hora.

No meio estavam as pessoas que morriam e viviam, que acordavam todos os dias e iam para o trabalho, estava o Inverno e o Verão e estava o Luís, suspenso e ausente.

Naquele instante eu não estava com as pessoas que falavam, não percebia as palavras, mas sentia o respirar forçado do Luís, sentia as suas lágrimas abortadas e percebia que enquanto falavamos existiam pessoas interrompidas que vivem em camas de ferro daquelas brancas e frias.

Pág. 1/6

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

Sofrósina

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2