Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

31
Jul17

Na alma ninguém manda...

fashion

 

 

Ela revirava os olhos cansada da mesma conversa. As pessoas tinham por hábito dizer-lhe constantemente o que fazer. Já não as ouvia, o seu pensamento estava disperso e as palavras assemelhavam-se as asas que a faziam voar. Podiam tentar mandar nela, faze-la sentir culpada, mas a sua alma era indomável e voava para longe, estava muito acima das amarras que lhe queriam colocar.

Na verdade as almas são como cavalos selvagens que cavalgam pelo vento e relincham ao luar, não há quem as prenda.

Inventou uma desculpa, levantou-se à pressa e encaminhou-se para a praia. Tirou os sapatos na areia e correu para água agitada que hoje o mar lhe oferecia.

Na alma ninguém manda.

29
Jul17

Tudo passa...

fashion

Tudo passa — sofrimento, dor, sangue, fome, peste.
A espada também passará, mas as estrelas ainda
permanecerão quando as sombras de nossa presença
e nossos feitos se tiverem desvanecido da Terra. Não
há homem que não saiba disso. Por que então não
voltamos nossos olhos para as estrelas? Por quê?


MIKHAIL BULGAKOV, O exército branco

27
Jul17

Filme que gostei...

fashion

 Este é um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Faz-nos pensar em tanta coisa. Talvez seja uma história vista  sobre a perspectiva maniqueista, mas a verdade é que percebemos onde os bons sentimentos habitam. Há um rato que nos mostra muito mais que os humanos. Há um rato que dá esperança e amizade. Há altruísmo e maldade, muita maldade. Gostei e recomendo.

24
Jul17

As mortes não físicas

fashion

(imagem retirada da net)

 

 

 

O vento tocava-lhe na cara primeiro levemente, mas aos poucos como um gigante voraz cresce a sua passagem e toque quase lhe provoca dor. Não se lembrava há quanto tempo estava ali, sentada naquela pedra e limitava-se a ser açoitada e mexida por aquele vento que se tornara impiedoso. Percebia que tinha havido nela uma quebra e vivia uma forma de luto conceptual. Não havia uma morte real, física, mas havia uma morte conceptual daquelas em que as perdas são mais profundas e dolorosas. Não sabia indicar um dia exacto, desconhecia uma situação em concreto, no entanto a perda percorria-lhe cada centímetro de ser e mostrava-lhe o quão enganada tinha estado. Olhava o pequeno lago agitado, a água em movimento e deixava-se estar quieta e aconchegada no casacão azul, que tinha agarrado quando sairia. Era difícil explicar o que sentia, revia imagens, momentos, situações e percebia claramente que tinha de se afastar. Sentia a garganta a apertar-se impedindo um soluço, uma lágrima, talvez um grito. As perdas... toda a sua vida visitada por perdas. Aconchegou-se em cima da pedra fria e viu, ao longe uma árvore que dançava, escutou em si o riso de uma criança e sentiu o afago do abraço que o seu pai sempre lhe deu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/3

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

Sofrósina

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2