Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

11
Set17

O seu eu que era tão seu

fashion

 

 (imagem retirada da net)

 

Ficou encostada à parede da sala, com a face colada no vidro. Gostava daquela sensação de frio sobre a pele. Do outro lado ouvia as palavras dele. Queria apenas um abraço, pensava. Não sabia já o que ele dizia, perdeu-se naquele complexo fio de palavras. Ela estava longe ou perto? Se alguém a visse não saberia dizer. O olhar perdido no que estava para além do vidro, o silêncio da escuta das palavras dos outros e ela não estava lá.

Onde ela estava não entrava ninguém, há muito que o tinha decidido. Lá não existiam julgamentos e nem culpas. Permitia-se ser quem quisesse. Passeava por entre as flores e sentia as agulhas dos pinheiros a picar-lhe a pele, não se importava. Ali sorria e cantava, sim ela cantava. Ás vezes canções simples com letras infantis, outras pequenos trechos de complexas sonatas. Fugia sempre, melhor o seu pensamento fugia, de cada vez que tinha de sair daquele seu eu, que era tão seu. As palavras voltaram, tirou a face do vidro, estava de volta.

07
Set17

As palavras por vezes têm de sair...

fashion

 

As palavras evadiam-lhe a boca como um torrente de água que nenhum dique consegue travar. Por mais que tentasse elas tinham vontade própria e eram resultado de um longo envenenamento interior. Ele olhava-a e respondia sem saber bem como, mas nada a travava. Os olhos brilhavam-lhe de raiva, o tormento que passara durante os últimos anos tinha sido transformado em sons e palavras e agora, nada os podia travar. Não sabia para onde ir, mas sabia que não podia mais ficar calada. Era impossível faze-lo  e continuar ressentida. Não sabia o que a esperava a partir dali, não previa nada de fácil, nem de bom, mas calar o sentia era fazer com que se mantivesse cativa e disposta a que continuassem a servir-se dela.

Os interesses sobrepõem-se muitas vezes aos sentimentos. Os interesses aguçam quase sempre os egoísmos e o que há de pior em nós, pensou. Há uma corrida desenfreada, para conseguir mais, para ser melhor e para isso não interessa que os outros se magoem ou sejam suprimidos. Interessa servir-se e descartar.

Finalmente as palavras começaram a faltar-lhe, assim como lhe faltaram, também, as lágrimas. Sentia-se livre, ao mesmo tempo culpada por ter dito tudo. Durante toda a vida, sempre se sentira culpada. Todos sabiam disso e faze-la sentir ainda mais era o seu maior trunfo. As palavras acabaram e deixaram instalar-se o silêncio...

05
Set17

Livro... Uma casa de bonecas

fashion

 Ibsen é um dramaturgo norueguês e são várias as peças de teatro,sobretudo teatro realista que tem escritas. Neste caso a escolha recaiu sobre "Uma casa de bonecas" e "O Pato Selvagem". Em ambos os casos a escrita é fluída e as histórias encerram reflexões sobre temas pertinentes. No primeiro caso é retratado o papel da mulher, a submissão à família, ao marido e a sua (necessária) emancipação. O segundo caso, mais complexo, aborda a questão da felicidade, da verdade, da mentira e das consequências que pode ter o peso de desvendar a verdade.

São histórias que se lêem rapidamente, mas que nos fazem reflectir, profundamente, sobre várias questões da vida humana.

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

Diafania

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2