Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

06
Jun17

Do pão quente à Etelvina guerreira

fashion

(imagem retirada da net)

Olhou para todas as lojas na esperança de encontrar uma padaria. Apetecia-lhe o cheiro do pão quente. Talvez porque o cheiro a levava de volta à infância e às festas em casa. À azafama da mãe, às cores, e ao cheiro. Sim ao cheiro, porque todos os momentos que ela cravou em si tinham cheiro.  Subiu as escadas, virou à esquerda, tentou ler a lista de nomes, até que encontrou o supermercado. Não era uma padaria, pensou, mas certamente encontraria pão quente. Passou por vários corredores até que encontrou a desejada iguaria. Sentiu o calor nas mãos, encostou-o às narinas e seguiu para a caixa.

Duas caixas, duas filas e várias pessoas aguardavam.

Defronte de si vê uma mulher franzina que denuncia cansaço. Viu-a colocar a cabeça em cima do tapete onde desfilam as compras. Percebeu que se sentia mal e perguntou-lhe se precisava alguma coisa. Simultaneamente a Sra. da caixa empurra uma cadeira e ajeita-a para a Sra. se sentar. Falam com ela. O polícia que ali se encontra, aproxima-se. Eram três pessoas, que naquele momento se esqueceram de si e olhavam para outro. Esperavam que a ajuda ao outro os ilibasse de todas as suas faltas. Não pensaram nisso, tinha a certeza de que não o tinham feito, mas era isso que ela pensava.

Há movimento em torno da Sra.: um vai buscar água, outro uma goma. O polícia sugere uma ambulância. A Sra. diz que se chama Etelvina e que tem 90 anos.

Não pode ir de ambulância porque o marido, com 92 anos, está em casa à espera dela. Ela recusa-se a ir porque o marido ia ficar muito aflito. Sugere-se ligar aos filhos.  Ela abre os olhos bondosos e grandes, quando se fala nos filhos e começa a chorar. Fica lívida e quase desfalece.

Ela faz-lhe uma festa nomeio da testa. Etelvina abre de novo os olhos, bebe um golo de água. Diz que os filhos vivem longe e que não podem vir. Está sozinha, não comeu e vive para cuidar do marido.( Coitada da Etelvina que não percebe que também precisa que cuidem dela). Os filhos, longe desconhecem se ela respira, não sabem o que sente. Divorciaram-se dos pais… Deixaram de encontrar “utilidade” em saber deles.

Voltou à rua, sentou-se no primeiro banco que encontrou. Lembrou-se do pão, mas não conseguiu voltar…

71 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

Diafania

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2