Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

13
Fev16

Um Sofá vermelho, uma pena cor-de-rosa...

fashion

Olhou para o guarda-roupa pela décima vez e percorreu, com os olhos, as dezenas de peças que por ali habitavam. Pensou nos vestidos, mas os vestidos pareciam-lhe demasiado óbvios e não lhe caiam bem.

Sentou-se na cama e olhou para umas calças pretas e um corpete negro e dourado, mas não era aquilo. Reparou, uma vez mais, para o interior do guarda-roupa e descobriu no canto de cima o vestido que ele lhe tinha oferecido pelo Natal. O vestido era preto com relevos e assentava-lhe perfeitamente.  Retirou-o do roupeiro e esticou-o, em cima  da cama. Agora faltavam os sapatos, pensou. Escolheu os sapatos e o batom e arranjou-se a correr, não gostava de demorar muito tempo. Suspirou e percebeu que aquela data não lhe dizia nada. Ela preferia os pormenores do dia-a-dia, as pequenas lembranças, a segurança dentro da sua enorme insegurança. Todas essas coisas, esses detalhes eram dignos de comemoração diária, tudo o resto, essas datas programadas e que era obrigada a seguir,  tornavam-na vulnerável e levavam-na a desvalorizar o que, de facto, era importante.

Olhou pela janela e uma pena cor-de-rosa, que estava dentro da caixa de sapatos,acariciou o chão. Por momentos as janelas devolveram-lhe as imagens de um salão de baile onde ela rodopiava e ali sentia-se embriagada pelos sons da música e dos risos. Durante algum tempo continuou a dançar até que o seu olhar se fixou num sofá vermelho, de veludo, onde dois meninos velhinhos estavam de mãos dadas. Parou de dançar e aproximou-se. Percebeu que estavam juntos há 50 anos e que a menina velhinha apesar de já não ter forças para dançar adorava bailes e festas. O menino velhinho decidira-se a  fazer-lhe uma surpresa ao leva-la aquele baile. Estava de mãos dadas com ela e, para ele, aquele era o único lugar onde fazia sentido estar. Levantou-se, demoradamente,  encaminhou-se para o meio da sala onde retirou, de uma consola do salão, uma rosa branca. Voltou, a arrastar os pés, mas a cara sorria-lhe e entregou a rosa à sua menina velhinha. Ela ruborizou e baixou os olhos com um sorriso. Se alguém perguntasse o que comemoravam eles não saberiam responder mas era fácil, para mim, perceber que era uma celebração de uma vida. Não de um dia, não de um instante mas a comemoração por muitos dias e muitos instantes. A música misturava-se com os meus pensamentos e por um momento fechei os olhos. Quando os abri estava de novo no meu quarto em frente à janela. Que disparate, pensei, porque raio teria visto aquilo. Apressei-me a colocar os brincos e, um deles, rodopiou e foi cair no chão mesmo ao lado da pena cor-de-rosa. Peguei no brinco e coloquei-o na orelha. Em seguida procurei um alfinete para prender a pena e colocá-la ao peito. Não sei porque fiz isso mas sorri. Agora apenas desejava encontrar um sofá vermelho. Fechei a porta e saí.

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

anguícomo

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2