Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

24
Mai17

Montaigne e a moderação

fashion

 

 

 

Um dia destes estava cansada e não me apetecia ler nada de muito denso e que demorasse muito tempo. Peguei nos ensaios do Montaigne e abri ao acaso o ensaio sobre a constância. Uma leitura que se pretendia leve fez-me pensar de forma profunda.

Na realidade eu sempre pensei na constância como algo que se mantém, uma postura que, independentemente do que suceda, é firme. No entanto, nunca tinha pensado que ser constante por vezes também é fugir. Se a constância que se pretende é manter o nosso espírito elevado e são, o melhor remédio, amiúde é virar costas do que nos perturba. Mas há vezes em que mover um milímetro significa que o nosso eu pode sair estilhaçado.

A grande lição de Montaigne, que aliás não é nova, é de encontrar na constância ou para a constância, a moderação. A constância não é, assim, a permanência,mas a moderação.

23
Mai17

As joaninhas e os resignados

fashion

(imagem retirada da net)

 

O sol queimava-lhe as faces lívidas e jovens. Não se mexia, não se podia mexer. Encetar um movimento significaria voltar à realidade, à sua realidade. Deixou-se ficar, como um insecto à espera que a presa se vá embora. Enrolou-se em si mesma e sentiu o tempo a percorrer-lhe o corpo. Primeiro mansamente e depois de uma forma tão assolapada que quase teve de gritar. Mas não fez. Nunca o fazia. Gritar era para os fracos ou para aqueles a quem era permitido virar-se ao contrário.  Conservou-se quieta e as pessoas que passavam ali não a viam. Nunca ninguém a via. Não por ser invisível, porque não era, mas porque a sua visibilidade era  de tal forma bela que perturbava. E o tempo continuava a sufoca-la com os seus dedos fortes na garganta, queria-lhe o ar. Era um ladrão de sopros, o tempo.

Ao lado as pessoas trabalhavam; resignadas. Mas não sabiam que o estavam. Dificilmente alguém sabe que se resignou. Iludem-se os sentidos, faz-se de conta que se luta, pensa-se na felicidade. Resignados, era isso que via. Autómatos que ignoram ou tapam a verdade com rotinas e trabalhos. Enrolou-se mais em si. Viu uma pequena joaninha, teimou em não se mexer, mas a joaninha olhava-a e sacudia as asas. A joaninha tinha pressa, a joaninha tinha asas, a dona das pintinhas não gostava de resignados.

22
Mai17

O fim do caminho é deixar de olhar para trás....

fashion

(Ilha Terceira, Açores. Imagem retirada da net)

 

Olhava para um lado, depois para o outro e nunca sabia se estava no caminho certo.Os pés doíam-lhe cansados e feridos. Parou na berma, tirou o sapatos e olhou os dedos ensanguentados e sujos do pó da estrada. Tirou um lenço do bolso e tentou aconchegar os pés. Olhou para trás, uma vez mais.Tinha andado muito, mas o caminho estava longe de terminar. Não que o caminho se medisse em quilómetros, ou talvez medisse, mas ela sabia que faltava muito. Calçou de novo os sapatos e a dor das feridas fé-la contorcer-se. Continuou, ainda assim, sem parar. Na testa o suor navegava-lhe como num rio. Ouvia músicas, várias. Olhava para o lado, para trás e as músicas aumentavam de volume. A estrada era estreita composta de pedras e pó, ladeada, aqui e ali, por ciprestes pequenos e pouco verdes. A caminhada continuava. Até onde? perguntava-se. Olhou uma vez mais para trás, como se esperasse alguém ou alguma coisa, mas nada se via.

Aos poucos os pós foram substituídos por areias finas, as pedras eram escassas e apareceram flores, todas as flores. Um desfile de cor, de verde, de cheiros. Olhou em frente, queria mais flores. Deixou de olhar para trás, caminhou devagar, tirou os sapatos e os pés ensanguentados puderam descansar.

19
Mai17

As aventuras de Augie March

fashion

(imagem retirada da net)

O que dizer? Já pensaram que quando um livro passa por nós, desde que seja bom, acaba por fazer parte da nossa vida? Sinto isso muitas vezes e com estas aventuras definitivamente senti isso.

A par com a Montanha Mágica que irá ser, sempre( para sempre) um dos livros da minha vida o Augie conquistou-me. O relato é de uma caminhada pela vida, pelas diferentes idades da personagem, pelo crescimento, pelo não crescimento...

Uma busca pelo princípio universal de felicidade, onde se cruzam tantos outros princípios e valores.

Augie foge do convencional, do banal, mas quer o mesmo que os outros, mas de outra forma. Quer tudo de uma maneira profunda, inteira e pura, a forma certa de desejar os bons sentimentos. Saul Bellow, o autor, escreve com pregos, como tenho por hábito dizer. Marca, marca mesmo.

Aproveitem as férias que se aproximam a passos largos e convidem este amigo a entrar na vossa vida...

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

anguícomo

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2