Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

29
Out18

O reino dos pinheiros

fashion

 

 

(imagem retirada da internet) 

     Caminhou por entre os pinheiros despidos e cujas roupas ela pisava ao andar. Na passada regular e firme, nos recantos da sua alma de criança descobria rostos conhecidos e que, de alguma forma, tinham feito parte da sua vida. Não soava a balanço final, nem perto, apenas reflexões que ela gostava de fazer quando caminhava livre solta por entre as árvores. Não saberia responder, se lhe perguntassem, porque razão as árvores a acalmavam, mas era certo que o faziam. Provavelmente aquele espaço lembrava-lhe um mundo mágico onde gostava de se esconder para, de algum modo, escapar à realidade. Ali, no meio das folhas, do verde e do cheiro dos pinheiros ela encontrava o mais profundo de si. Naquele mundo, cândido e suave ela respirava sem dificuldade aceitando apenas aquela pátria onde as  regras e as fronteiras se extinguiram. Pensou, naquela manhã de Outono, nas pessoas que gostava, no cão branco e amigo, mas o que o pensamento escolheu foi pensar naqueles que lhe diziam tão pouco e que a enredavam tal qual uma teia de aranha.

Quem se oferece genuinamente não prende, a prisão é sempre contrária  à sensibilidade e ao sentimento.  No reino dos pinheiros a liberdade habita paredes meias com o amor e a amizade. Ali não há redes, nem teias. Nos dias de chuva tomam-se banhos, fica-se molhado, para que, mais tarde, o sol e o vento venham secar, apenas porque essa é a forma mais próxima que encontram do beijo.

Caminhou mais, caminhou sempre, mas percebendo que há reinos encantados onde só entra se deixa.

15
Out18

Do chapéu de chuva à falta de utilidade

fashion

 

Parou junto de uma porta daquelas antigas de madeira, onde se consegue ver um outro mundo através das fissuras. Olhou para o chão do outro lado, para as ervas que o cobriam envolvidas pela orvalhada. Era o momento de ir, sabia que iria sem nunca sair dali, mas fisicamente estava na hora de avançar para outro lado.

O que procurava não sabia precisar, mas sabia a enorme falta e o vazio que a preenchia. Era agora, ou nunca, pensou.

Pegou na pequena mala de pele cinzenta, no chapéu de chuva e começou a andar. Era estranho ter trazido um chapéu, murmurou. Ela preferia a chuva, a andar carregada, mas hoje, precisamente hoje, tinha trazido o guarda chuva. De entre milhares de coisas que poderia trazer, escolheu precisamente esta, sem saber porquê. Ao mesmo tempo que andava, com passadas precisas e pequenas, olhava o chapéu, preto, sem graça, a pender das suas mãos brancas. Pensou em deitá-lo fora, hesitou, parou, olhou-o, ainda assim decidiu conserva-lo. O tempo estava fresco, a pender para o húmido, um pouco como o seu estado de espírito, poderíamos dizer. O chapéu não lhe era útil, mas nem sempre  a utilidade, deve ser o bastante para conservarmos alguma coisa. Melhor, por vezes a utilidade é o pior motivo para mantermos o que quer que seja. O chapéu, era preto, o seu estado de espírito também o era. Mas um chapéu de chuva fechado, encerra uma enorme promessa: a qualquer altura pode abrir-se, para proteger da chuva, ou dançar com o arco-íris.

08
Out18

Ressentimento

fashion

                                                                             (imagem retirada da internet)

Penso sempre no passar dos anos como uma oportunidade para ser melhor. Acredito que, com a experiência, sobretudo com as vivências, temos a possibilidade de modificaro que nos parece menos bem em nós. Tal como acredito que isso possa acontecer comigo, perspectivo essa oportunidade para os outros. Infelizmente nem sempre assim acontece. Há pessoas que vão alimentando o que procuro diminuir.

Há muitos anos estudei longamente o tema do ressentimento, no momento com vinte e poucos anos pouco percebi.

Alguém com vinte anos, dificilmente é um ressentido. Pode ser um magoado, alguém triste e melancólico, até invejoso, mas não ressentido. Alguém com trinta, quarenta e por aí fora reúne todas as possibilidade de ser (ou vir a ser) um ressentido. A vida não é fácil e/ou esquecemos e seguimos em frente ou corremos o risco de passar a vida amargurados.

Estudei, como dizia, que o ressentimento nega, em parte, o sentimento e oblitera a acção. Quem é ressentido, vive uma re-acção,  adoptando como único propósito de vida o de revidar e se vingar. 

Por vezes, já nem se lembra porque o faz, mas deixou de saber viver de outra forma. Esquece, no entanto, que deixou de viver a sua vida e vive em função do ripostar ao outro.

A cada dia  conheço mais pessoas ressentidas e amargas, pessoas que estão tão revoltadas com o mundo, com elas e que carregam tantas toneladas às costas que se esqueceram do que é agir e não re- agir.

O meu pensamento de hoje é, simultaneamente, um desejo. Penso na quantidade de pessoas que não conseguiu sentir o afago do vento, que nos brindou pela manhã, porque simplesmente já não sentem, por outro lado desejo, convictamente, que eu nunca seja assim.

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

anguícomo

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2