Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

29
Dez19

Festejar um ano mau

fashion

Tenho o péssimo hábito de desvalorizar as mudanças e as coisas novas. As coisas "velhas", conhecidas e a que me habituo são as melhores do mundo, em detrimento das novas. Não interessa se parecem promissoras, melhores até do que as que já tenho, mas são novas, não prestam. Há pessoas que me vão conhecendo e sabendo desta minha incapacidade de aceitar a novidade adotam uma postura de Jó ou de Santo Antão e desafiam-me. A princípio digo sempre que não, mas depois acabo, com relutância, por experimentar e... gostar. 

Esta questão também tem a ver com as pessoas que conheço, de novo. No início nunca quero fazer nada, olho de lado com desconfiança, mas depois acabo por aceitar a maioria das pessoas que conheço, como amigos. 

O mesmo sucedeu com alguns colegas de uma aula de artes que frequentei. Eram todos de teatro, "malucos", dionisíacos e "fora da caixa". No primeiro dia a minha ideia foi: "não ponho lá mais os pés. Aulas de Artes performativas, com gente do teatro, eu não"! Mas fui indo, indo até ao final do semestre. Descobri pessoas maravilhosas. Tão maravilhosas que hoje recebi um convite, de uma delas, para o seu aniversário amanhã.

Emocionei-me. Mas a emoção não veio do convite, em si, mas a roupagem do convite. Num texto  poético e leve, a A. explica que convida os amigos porque este ano reúne todas as condições  para que se efective a comemoração do seu aniversário. Justifica(agora vem a parte surpreendente), que tem motivos para comemorar porque foi o pior ano da sua vida. Continua, esclarecendo que passou por um dilúvio, por dias de chuva e frio e que, ainda assim, não se afogou. Não tem motivos para estar triste e quer, com toda a força, festejar a Vida. 

Amanhã, A., não estarei contigo, mas festejarei a vida e o privilégio que tive em conhecer-te. 

14
Dez19

Desejos e fins de ano

fashion

 Com um ano prestes  a terminar,  a inevitabilidade do balanço e dos desejos persegue-nos.

Não que os balanços  não se façam todos os dias e os desejos não persigam os nossos passos desde que acordamos. Mas o fim do ano, tem qualquer coisa de nostálgico, ao mesmo tempo promissor. O mesmo se passa com as palavras que escolhemos para caracterizar o fim de ano. 

Parece uma contradição isso que junta o balanço aos desejos. Uma análise atenta à etimologia da palavra revela-nos, no entanto, que a  palavra balanço encerra no seu amago a significação de um movimento oscilatório entre o que vai e o que vem, mas também o solavanco. O desejo completa o balanço na medida em que significa (etimologicamente)  esse querer "  fixar as estrelas". E seguir o desejo é seguir a estrela. O solavanco causado pelo balanço impele-nos a perseguir a "boa estrela".

Um ano acaba, outro começa, num movimento que quase eterniza o retomar. Mas o que retorna é sempre diferente, nós somos diferentes. Confesso a minha descrença em relação a uma repetição total nos retornos de Sísifo. Em cada repetição Sísifo retorna diferente porque até no absurdo há desejos, nem que seja o desejar não retornar. 

Acabo o ano com desejos, perseguindo as estrelas e acreditando que o que desejamos pode não estar apenas no céu.

14
Mai19

É a vida

fashion

(imagem retirada da internet)

 

É estranha a vida - disse ela- depois de dar mais um gole na chávena de chá de camomila que ainda fumegava.  

- Arruma-se por blocos, por intervalos e por vezes avança, outras recua- continuou. 

Ele calado olhava fascinado para o entusiasmo que ela punha nas palavras, na voz e nas mãos. Admirava-a sem ser capaz de lhe dizer. Talvez até a invejasse, mas mantinha-se calado.

A ela sabia-lhe bem falar, mesmo sabendo que metade das palavras, dos seus pensamentos não seriam bem entendidos. Mas que interessava, pensou. Libertar palavras, por vezes é libertar a alma.

É difícil ser entendido- continuou- pousando a chávena.

É a vida- respondeu ele.

05
Mar19

Nos telhados há...

fashion

 

Há uma imagem que me prende sempre que visito cidades diferentes, sobretudo no inverno: os telhados. 

Parece tolo, tanta coisa para olhar, algumas coisas quase inenarráveis, e eu penso em telhados. Mas...nos chapéus das cidades percebe-se tanto da história, que me sinto mergulhar numa imensidão de pensamentos profundos e variados, quando consigo ver todas as telhas das cidades. É óbvio que não conseguimos ver claramente tudo, mas a ideia de abarcar tudo com a visão, a imaginação do que não conseguimos contemplar, é arrebatadora.

E vive-se tantas coisas, tantas histórias que os telhados suspiram, e que só ouvidos mais atentos conseguem escutar.

Há uma certa melancolia nos telhados, mas há também um mundo  desconhecido por aqueles que vivem apenas nos rés de chão. O que se vê é diferente. Podia elaborar uma teoria axiológica, sobre a subida e a descida, quase moralizante, mas limito-me a escrever sobre o que sinto correr em mim, quando antevejo um telhado ou a ideia de um telhado. 

Sente-se o mundo de forma pulsante, porque temos uma perspectiva mais ampla. Há melancolia, mas há desafio pelo desconhecido que sobre as telhas conseguimos antever.  Sentimos, perto, bem perto, o bater das asas dos pássaros, que tal como nós descobriram que os telhados são outra dimensão.   Um espaço onde não há barreiras e  o olhar consegue alcançar muito mais do que apenas o imediato. Gosto de telhas e telhados, fecho os olhos e sinto que ao redor dos telhados todos podemos voar.  Nos telhados há outra cidade dentro da cidade. 

31
Dez18

Eurídice e o Ano Novo

fashion

 

Eurícide foi picada por uma cobra e morreu. O marido, inconformado, vai ao mundo dos mortos e convence Hades a permitir que Eurícide volte à vida. No entanto, Hades impõe uma condição: ela pode viver, mas ele (Orfeu) não poderá olhar para trás.

Nestes últimos dias do ano pensei muito na história de Eurídice e Orfeu. Na importância que tem o seguir em frente, na renovação da esperança que se inicia com cada ano. Mas o olhar para trás(ou não olhar) é quase como uma caixa de pandora. Há males que devem ser encerrados e não mais voltar a eles. Temos de saber olhar para as coisas boas, apreciá-las, valorizá-las, mas as outras é deixá-las onde estão. A caixa quando se abre assemelha-se a um emaranhado que nos atinge enrolando-nos e aprisionando a nossa força e esperança. 

Quando se olha para trás sujeitamo-nos a voltar para o mundo dos mortos, como aconteceu com Eurídice e Orfeu. Neste ano, prestes a começar, devemos olhar para o que está em frente, nos caminhos que se nos oferecem e mais importante: caminhar sem pesos. Bom Ano 2019!

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

anguícomo

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2