Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fashion in the bag

Fashion in the bag

17
Jan17

um sonho...

fashion

 

 

Nunca tivera tempo de ser criança e quando lhe falavam nisso nem sabia bem dizer se ela algum dia tinha sido uma criança. Sentia que tinha sido sempre como era hoje, adulta e sem sonhos. Bem na realidade tinha apenas um: ver o mar.

Um dia o tio "Chico", que tinha estado em Lisboa, tinha-lhe contado que o mar era imenso, azul, com grandes ondas e que era impossível não passar horas e horas a olhar aquele movimento de embalava.

Tinha sido o único brinquedo que tivera(e que o tio lhe ofrecera) e o único sonho. Brincava com pedras e imaginava que era o mar com as suas ondas, olhava prados verdes e imaginava a imensidão da água e depois, pensava sempre, que um dia o iria ver, de verdade. Os anos passaram, Filomena tinha três filhos e nunca tinha brincado com eles porque ela não sabia brincar. Trabalhava de sol a sol, no campo, e depois tinha a casa para tratar. As crianças acompanhavam-na  nos campos e comiam todos juntos à beira de uma ribeira. Casara cedo, engravidara de seguida, e tudo era tão natural que nem nunca pensara que podia ser de outra maneira. Os filhos foram crescendo e foram-se embora, ela ficou sozinha com as pernas cada vez mais cansadas. -Já nem as pernas me ajudam, dizia.

Um dia, daqueles dias em que o Sol aparece cedo, o filho João chegou de carro e pediu-lhe que juntasse uma  muda de roupa e o acompanhasse. Teve medo, mas era o filho e não podia dizer-lhe que não. Entrou no carro com as pernas a tremer, nunca tinha visto nada assim. Viu tantas coisas que nem conseguia pensar, sucediam-se imagens e ela respirava a custo. O filho parou o carro e ela soube, mesmo sem lhe dizerem, que estava em frente ao mar. Desde esse dia nunca mais falou, a emoção de ter realizado o seu sonho e ter encontrado o seu único brinquedo, levou-lhe as palavras. Nunca mais ela conseguiu que as palavras fossem mais, ou significassem tanto como o que tinha sentido, naquele dia. O mar nunca mais a abandonou e ela sentia, todos os dias, uma felicidade imensa porque afinal, aquele, tinha sido sempre o seu sonho.

57 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais Sobre Mim

A Ler

Palavra da Semana

anguícomo

Segue-me

Follow

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

blogs portugal

Este blogue tem direitos de autor Copyrighted.com Registered & Protected

A ler 2